A paz, se possível, mas a verdade, a qualquer preço.(Martinho Lutero)

BLOG ALFA PAPA MG .A paz, se possível, mas a verdade, a qualquer preço.(Martinho Lutero)

sábado, 23 de janeiro de 2016

Veja a enquete .

🚔 Enquete 🚔

Você Servidor Penitenciário de Minas Gerais qual sua escolha:


1 - Secretaria Própria do Sistema Prisional
 (   ).


2 - Continuar a Suapi
(   ).

3 - Secretaria de Direitos Humanos(    ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (      ).

5 - Outras opções  (   ).



4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).




4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).




4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).



4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).




4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).




4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).



4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).




4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).




4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).



4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).




4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).




4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).




4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).



4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).




4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).




4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).




4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).




4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).




4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).




4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).




4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).



4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).




4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).




4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).

4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).
4- Incorporar a Polícia Civil  (   x   ).


Fusão com a PC corta Gastos do Estado de Mg e agrada 99% dos servidores do sistema prisional.

 Projeto  agrada  a segunda  maior  força  de segurança pública de  Mg .
Seria  interessante  já  que não  temos um sindicato que nos representa , sem  falar que com projeto ,tudo depende  como o projeto  será reformulado .

Sem falar  que  a parte que  desagrada ,  a maioria não Bate  tranca  e não   fica frente  a frente   com  o crime organizado.


Fusão com a PC corta Gastos e agrada 99% servidores do sistema prisional !

M BH

Polícia Civil abre mais um Centro de Treinamento e Ação na Acadepol

Durante inauguração, corporação confirmou a nomeação de mil investigadores

treinamento
Durante inauguração, policiais realizaram uma demonstração com umas das técnicas de progressão que serão utilizadas nos treinamentos

PUBLICADO EM 22/01/16 - 16h14

A partir desta sexta-feira (22), a Polícia Civil passa a contar com mais um Centro de Treinamento e Ação na Acadepol, no bairro Nova Gameleira, na região Oeste de Belo Horizonte. O espaço será usado para capacitar policiais.
De acordo com a corporação, o Centro de Treinamento e Ação Policial Delegado Elson Matos (TAP) foi construído onde eram as antigas salas de aula desativadas na Acadepol. Após três meses de obras, a casa é composta por vários cômodos, além de um vestiário para os professores. Por uma parceria com a Polícia Civil, o Banco do Brasil contribuiu com R$ 25 mil. Já a Caixa Econômica Federal cedeu o mobiliário, o circuito interno de segurança e R$ 5 mil.
No espaço, policiais serão capacitados pata enfrentar situações do dia a dia da profissão. A equipe conta com 25 professores. Ainda durante a apresentação do centro à imprensa, a Polícia Civil confirmou a nomeação de mil investigadores, que iniciam os trabalhos na Acadepol no dia 15 de fevereiro.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

TRABALHO IRREGULAR

Guarda Municipal poderá fiscalizar camelôs a partir desta sexta-feira

Decreto foi publicado no Diário Oficial do Município (DOM); mercadorias e equipamentos apreendidos serão encaminhados para depósitos da Prefeitura de Belo Horizonte

Guarda Municipal
Agente também ficarão responsáveis por lavrar os autos de infração
PUBLICADO EM 22/01/16 - 17h08
A Guarda Municipal, a partir desta sexta-feira (22), é a responsável pela fiscalização dos camelôs em Belo Horizonte, conforme decreto do prefeito Marcio Lacerda publicado no Diário Oficial do Município (DOM).
Por delegação da Secretaria Municipal Adjunta de Fiscalização, os agentes vão atuar na fiscalização do comércio clandestino de mercadorias e nos serviços prestados de forma irregular em logradouros públicos, sendo ainda responsáveis pela desobstrução desses espaços.

A fiscalização abrangerá as atividades realizadas em veículos automotores, de tração humana e afins, bem como a apreensão de bens utilizados no exercício da atividade que estejam acondicionados em bolsas, sacolas, malas ou similares, mesmo que apoiados sobre o corpo.
As mercadorias e equipamentos apreendidos pela Guarda Municipal serão encaminhados para os depósitos da Prefeitura de Belo Horizonte.
O órgão ainda lavrará o respectivo A

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016


Ponto 40 da Taurus não servem mais para o serviço policial, diz CEL Pm Giraldi

PISTOLA_TAURUS_02.40
Depoimento do CEL Pm Giraldi criador do método Giraldi com certeza as pistolas Ponto 40 da Taurus não servem mais para o serviço policial.
Em Conversa com o Cel Giraldi sobre o incidente e veja o que ele respondeu:
O mecanismo da Taurus “PT 100″ é do início do século passado.
Originariamente era calibre 9mm. A fábrica abriu para .40 S&W. Com isso enfraqueceu, não só o cano, como toda a armação.
Com isso não aguenta o tranco. Quebra; quebra; e quebra. E quebra. E quebra.
Para não quebrar o CSM/AM está carregando a munição .40 S&W com carga mais fraca. Aí o ferrolho não funciona, provocando incidentes de tiro.
A pistola correta para polícias é a Glock, modelo 22 (também .40 S&W), de origem austríaca, com 15 cartuchos no carregador (colocado o “bump” vai para 18), feita de material espacial, não necessita manutenção, não tem travas para serem acionadas (a trava está no próprio gatilho que, ao ser acinado, a destrava; ao ser solto, trava), à prova de policiais mal treinados. Não causa incidentes de tiro. Tem adaptador de lanterna (e a lanterna vem junto). Tem miras noturnas (já está nela). O coldre vem junto (a própria fábrica da pistola também faz o coldre). Ergonomia perfeita. Gasta metade da munição, em relação á taurus, para ensinar e manter o policial adestrado para o seu uso. Totalmente carregada pesa 900 gramas. Não dá tranco na hora do tiro. Colocada e retirada do óleo queimado, funciona. Também na água. Misturada com areia e retirada, funciona. Jogada do 10º andar de um prédio, no asfalto, não quebra. Pode passar com carro por cima que não danifica. Tem apenas 32 peças, incluídas as do carregador (a taurus tem 85). Pode ser desmontada e montada usando uma tampa de caneta “bic”. Não tem similar, no mundo. Já abastece mais de 90% das Instituições Policiais Americanas (e os Estados Unidos são o país que mais fabricam pistolas no mundo). E vai por aí a fora. A PMESP tentou comprá-las. O DMB, do EXÉRCITO, não permitiu. Mas a POLICIA FEDERAL acaba de comprar 12.000 delas, sem licitação e sem autorização; pagou R$ 940,00 (novecentos e quarenta reais) cada uma. A PT 100, que a PMESP compra, custa mais de R$ 1,500,00 (um mil e quinhentos reais).
Êta Brasilzão porreta! Êta patifaria! Êta interesses econômicos filhas da….!
Exigem muito das polícias mas não lhes dão o que necessitam para cumprir suas missões para enfrentar essa bandidagem violenta que assola a sociedade e a nós próprios.
Será que algum dia teremos a pistola Glock?
Ponto 40 da Taurus não servem mais para o serviço policial, diz CEL Pm Giraldi

 - http://tudosobrearmas.com.br/2016/01/07/ponto-40-da-taurus-nao-servem-mais-para-o-servico-policial-diz-cel-pm-giraldi/?utm_source=WhatsApp&utm_medium=IM&utm_campaign=share button
Abração para todos.
Cel Giraldi
Fonte: Link Policial
SISTEMA PRISIONAL DE MINAS RECEBE MAIS DE R$1,5 MILHÃO EM EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA

As 147 unidades prisionais da Secretaria de Estado de Defesa Social (SEDS) começam a operar 470 novos equipamentos de inspeção de segurança, que somam um investimento de aproximadamente R$ 1,5 milhão, custeado pelo Departamento Penitenciário Nacional (Depen). Na tarde desta terça-feira, foi realizada a última etapa do treinamento de agentes de segurança penitenciários para a operação dos aparelhos. São 12 esteiras de Raios-X, 45 detectores de metal do tipo portal, 289 do tipo bastão e 124 do tipo banqueta.

Uma equipe do Depen esteve em Belo Horizonte para acompanhar o treinamento, que teve duração total de 16 horas. Durante o curso, além de aprenderam a operar os equipamentos com eficácia máxima, os agentes receberam orientações para humanizar a revista de presos e visitantes.

Um dos agentes treinados foi Anderson Mota, do Presídio de Itaúna, no Centro-Oeste do Estado. Segundo ele, os novos equipamentos serão importantes para garantir a segurança dentro da unidade prisional e impedir a entrada de materiais ilícitos com mais eficácia. “Aprendemos como funcionam adequadamente os equipamentos, tanto na prática quanto na teoria. Quanto mais reduzirmos as revistas invasivas, melhor”, diz o agente, que agora será um multiplicador do conhecimento adquirido.

No Presídio de São Joaquim de Bicas I, onde foi realizado parte do treinamento, já está em funcionamento a esteira de Raios-X. Agora não é mais necessário abrir sacolas e “revirar” os alimentos trazidos por familiares de presos. O diretor-geral do estabelecimento, Ricardo Helbert Pereira, observa que a esteira trouxe muitos benefícios tanto para os servidores da unidade quanto para os parentes de presos.

“Eliminar o toque com as mãos traz mais dignidade para a família e para o detento, além de conferir agilidade ao procedimento de entrada de alimentos, objetos e demais materiais”, diz Ricardo Helbert.

Segundo a diretora de Políticas Penitenciárias do Depen, Valdirene Daufemback, além de prestar apoio aos governos dos Estados e do Distrito Federal, o objetivo da doação dos equipamentos de inspeção é acabar com a revista vexatória em estabelecimentos penitenciários. "Ao mesmo tempo em que aumentam a segurança, impedindo que objetos estranhos entrem nas unidades, como armas, drogas e celulares, os equipamentos vão permitir que familiares de detentos e demais visitantes não sejam submetidos a tratamentos que violem sua integridade", explica Daufemback.

FONTE: SEDS

Read more at http://blogdocabojulio.blogspot.com/2016/01/sistema-prisional-de-minas-recebe-mais.html#JAM1mSzXzT2EzXQ4.99

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Presídios mineiros recebem R$ 1,5 milhão em equipamentos de inspeção

As 56 principais unidades prisionais do Estado receberam 470 equipamentos, entre esteiras de Raio-X e detectores de metal do Departamento Penitenciário Nacional (Depen); objetivo é acabar com as revistas vexatórias

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Fonte Normal
PUBLICADO EM 20/01/16 - 15h51
As principais unidades prisionais de Minas Gerais operam agora com 470 novos equipamentos de inspeção de segurança, um investimento de cerca de R$ 1,5 milhão. Nesta terça-feira (19) aconteceu a última etapa do treinamento dos agentes que utilização as 12 esteiras de Raio-X, 45 detectores de metal do tipo portal, 289 do tipo bastão e 124 do tipo banqueta. 
Os equipamentos, que serão utilizados em 56 unidades prisionais, foram custeados pelo Departamento Penitenciário Nacional (Depen), ainda de acordo com o governo de Minas. Uma equipe do órgão do Ministério da Justiça esteve em Belo Horizonte para acompanhar o treinamento de duração total de 16 horas.
Além de aprenderem a operar os equipamentos com eficácia máxima, os agentes penitenciários também receberam orientações para humanizar a revista de presos e visitantes. Um dos servidores treinados foi Anderson Mota, do Presídio de Itaúna, na região Centro-Oeste do Estado. Segundo ele, os novos equipamentos serão importantes para garantir a segurança dentro da unidade prisional e impedir a entrada de materiais ilícitos com mais eficácia.

“Aprendemos como funcionam adequadamente os equipamentos, tanto na prática quanto na teoria. Quanto mais reduzirmos as revistas invasivas, melhor”, diz o agente, que agora será um multiplicador do conhecimento adquirido.
Sacolas e alimentos não serão mais revirados
Uma outra boa novidade para os familiares de presidiários é a utilização da esteira de Raio-X, que já está em funcionamento no Presídio de São Joaquim de Bicas I. Com isso, as sacolas e alimentos trazidos pelos familiares não precisão de ser "revirados" pelos agentes em busca de itens ilícitos. “Eliminar o toque com as mãos traz mais dignidade para a família e para o detento, além de conferir agilidade ao procedimento de entrada de alimentos, objetos e demais materiais”, diz Ricardo Helbert, diretor-geral da unidade.
Segundo a diretora de Políticas Penitenciárias do Depen, Valdirene Daufemback, além de prestar apoio aos governos dos Estados e do Distrito Federal, o objetivo da doação dos equipamentos de inspeção é acabar com a revista vexatória em estabelecimentos penitenciários.
"Ao mesmo tempo em que aumentam a segurança, impedindo que objetos estranhos entrem nas unidades, como armas, drogas e celulares, os equipamentos vão permitir que familiares de detentos e demais visitantes não sejam submetidos a tratamentos que violem sua integridade", explica Daufemback.