A paz, se possível, mas a verdade, a qualquer preço.(Martinho Lutero)

BLOG ALFA PAPA MG .A paz, se possível, mas a verdade, a qualquer preço.(Martinho Lutero)

sábado, 17 de janeiro de 2015

Condenado por tráfico na Indonésia, brasileiro Marco Archer é executado

Instrutor de voo livre foi morto por pelotão de fuzilamento em prisão.
No país asiático, tráfico de drogas tem pena capital.

Do G1, em São Paulo
Marco dentro da cadeia na Indonésia (Foto: Rogério Paez / Arquivo pessoal)Marco Archer dentro da cadeia na Indonésia (Foto: Rogério Paez / Arquivo pessoal)


Indonesian police tighten security at the main gate of maximum security prison Nusa Kambangan in Cilacap, Central Java province



Brasil 'indignados' por execução o tráfico de drogas na Indonésia
Prisioneiro no corredor da morte no Brasil, na Indonésia, Marco Archer Cardoso Moreira
Marco Moreira foi condenado à morte por um tribunal indonésio em 2004 por crimes de tráfico de drogas
Continue lendo a história principal
Histórias relacionadas

O que Jokowi vitória significa para a Indonésia?
Quando os assassinos foram enforcados rapidamente
Uma execução "imoral e injusto"
Brasil diz que está "indignado" com a execução de um dos seus cidadãos na Indonésia por tráfico de drogas.

Marco Archer Cardoso Moreira, 53 anos, foi preso em 2003 depois que a polícia no aeroporto de Jacarta encontrados 13,4 kg de cocaína escondidos em sua asa delta.

Brasil diz que ele foi o primeiro brasileiro a ser executado no exterior e já avisou que vai prejudicar as relações.

Cinco outros condenados, da Indonésia, Malawi, Nigéria, Vietnã e na Holanda, foram executados no domingo.

Condenado por acusações de drogas, eles enfrentaram um pelotão de fuzilamento, na província de Java Central, pouco depois da meia-noite, hora local.

Cinco foram executados na ilha de Nusa Kambangan eo outro, uma mulher vietnamita foi executado na pequena cidade javanesa central da Boyolali.

Embaixador lembrou
O presidente do Brasil, Dilma Rousseff, disse em um comunicado que estava "indignado e consternado".

"As relações entre os dois países foram afetados", disse Dilma.

"O embaixador do Brasil em Jacarta foi recordado para consultas", acrescentou ela.

Indonésia tem algumas das leis mais difíceis do mundo da droga. O país retomou as execuções em 2013 depois de uma de quatro anos moratória oficiosa.

A polícia da Indonésia reforçar a segurança no portão principal da prisão de segurança máxima Nusa Kambangan em Cilacap, na província de Java Central
A segurança foi reforçada no portão principal da prisão de alta segurança em Nusa Kambangan
Parentes de presos no corredor da morte montar uma pequena balsa para a Wijayapura cais em Cilacap, Java Central
Parentes visitou prisioneiros do corredor da morte no início da semana
Presidente Joko Widodo disse que ele não mostrará misericórdia para com os criminosos de drogas, porque eles têm arruinado a vida de tantas pessoas.

"Outra chance"
Dilma Rousseff tinha feito um pedido de clemência na sexta-feira, mas foi rejeitada pelo Sr. Widodo.

Ela contou ao seu homólogo indonésio que ela respeitava a soberania e do sistema judicial do seu país, mas como mãe e chefe de estado que ela estava fazendo o apelo por razões humanitárias.

Brasil, diz Widodo disse entender a preocupação do presidente brasileiro, mas disse que não poderia comutar a sentença como o processo legal completo tinha sido seguido.

Grupo de direitos humanos Anistia Internacional pediu ao governo indonésio para deter as execuções de imediato, e, eventualmente, abolir a pena de morte.

Dilma Rousseff, 2 de 14 de janeiro
Presidente Dilma Rousseff acaba de começar um segundo mandato de quatro anos
Presidente Joko Widodo, 10 de novembro de 2014
As execuções marcar o primeiro uso da pena de morte desde que o Sr. Widodo assumiu o cargo em outubro
Moreira disse em um vídeo gravado por um amigo que se arrependia de tentar contrabandear cocaína para a Indonésia.

"Estou ciente de que eu cometi um delito grave, mas eu acredito que eu mereço outra chance. Todo mundo comete erros."

A segunda nacionalidade brasileira, Rodrigo Muxfeldt Gularte, permanece no corredor da morte na Indonésia, também condenado com crimes de tráfico de drogas.

Brasil aboliu a pena de morte em tempo de paz, quando se tornou uma república em 1889.cocaína.

16/1/2015 às 20h42 (Atualizado em 16/1/2015 às 21h06)

Policial civil reage e mata assaltante em Contagem

Agente estava em uma oficina quando foi abordado por três criminosos
Do R7
Um policial civil reagiu a uma tentativa de assalto nesta sexta-feira (16) em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte. O suspeito foi baleado e não resistiu aos ferimentos.
Segundo a polícia, o inspetor estava no horário de almoço e foi até uma oficina no bairro Riacho das Pedras para buscar um carro. Ele foi abordado por três criminosos, dois deles armados.
Os assaltantes pegaram uma correntinha de ouro e tentaram revistar o policial, que reagiu. Um dos bandidos foi atingido duas vezes. Os outros dois conseguiram fugir.
Um deles foi detido próximo ao local. O terceiro continua foragido. O inspetor foi preso e liberado após prestar depoimento.

ESTATUTO

Guardas municipais de Belo Horizonte irão portar armas

Ideia é que agentes patrulhando áreas de maior risco sejam autorizados a usar armamento

01
Pacífico. Cerca de 500 guardas municipais fizeram uma manifestação na manhã de ontem, no centro de Belo Horizonte; eles querem mudanças nas condições de trabalho
PUBLICADO EM 17/01/15 - 04h00
A Prefeitura de Belo Horizonte anunciou nesta sexta que os guardas municipais da capital vão trabalhar armados. Segundo nota do Executivo, os procedimentos administrativos necessários já estão em andamento, e as armas serão usadas apenas por agentes lotados em pontos com risco de confronto com criminosos. A confirmação aconteceu um dia após uma briga entre guardas e policiais militares que terminou com uma agente municipal ferida, dois protestos e um indicativo de greve.

O processo para a autorização do armamento já estaria na fase de definição de um cronograma de treinamento dos guardas municipais, segundo uma fonte do Executivo. Não há, no entanto, uma previsão para o início do uso das armas, que depende também de trâmites burocráticos que envolvem inclusive a Polícia Federal.

O plano da prefeitura é usar 300 armas compradas em 2005, ainda quando o atual governador, Fernando Pimentel, era prefeito da capital. A assessoria da Guarda Municipal garante que elas estão devidamente acondicionadas, sob os cuidados da Polícia Militar, que não revela o local de armazenamento.

Nem todos os 2.134 guardas trabalhariam armados. A lógica usada pelos responsáveis é a do risco a que o profissional estaria exposto. Um agente patrulhando o prédio de uma escola infantil, por exemplo, não portaria arma. Já aquele em uma Unidade de Pronto-Atendimento (UPA), onde o risco de confronto com criminosos é maior, sim.

Necessidade. A autorização para o uso de armas pela guarda é amparada no Estatuto Geral da Guarda Municipal, aprovado em agosto de 2014. O texto autorizava as prefeituras a armarem seus agentes. A postura adotada pelo Executivo da capital, no entanto, é questionada por especialistas em segurança pública. Eles ponderam que guardas armados são sinônimo de mais armas em circulação, em um momento no qual se discute mundialmente a necessidade de mudar a postura ostensiva das forças de segurança pública.

Luís Felipe Zilli, pesquisador do Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública (Crisp) da UFMG, defende mais discussão antes de se bater o martelo. “É preciso definir com exatidão a função de Polícia Militar, Polícia Civil e Guarda Municipal. A decisão não pode ser tomada por causa de uma sensação de insegurança dos guardas ou por corporativismo. Com certeza, nem todos os guardas precisam estar armados”.

Professor de sociologia e ciência política da PUC Minas, Moisés Gonçalves pondera que armar a guarda não reduz a criminalidade. Para ele, é preciso pensar em recursos tecnológicos para integrar as polícias e treinar melhor os agentes. “Uma arma na cintura não resgata a confiança da população, gera mais medo”.
Polícia Civil investiga perueiro e agressão

A Polícia Civil instaurou nesta sexta dois inquéritos: um para apurar a briga entre policiais militares e guardas municipais e outro para investigar a suposta atuação do policial reformado Daleimar Hilário Moreira como perueiro, que deu início à discussão.

Entre a noite de quinta-feira e a madrugada desta sexta, 20 pessoas foram ouvidas, segundo a Polícia Civil. O delegado Luiz Otávio Fraga de Andrade pediu exames de corpo de delito em Moreira e nos guardas municipais Fábio Vaz Peixoto e Francisco Silva Lopes dos Santos, envolvidos no conflito. O cabo que atirou em Lilian Emiliano de Oliveira, 28, segue preso em um quartel da corporação. O nome dele não foi informado.
Saiba mais
Função.
 A Guarda Municipal tem a função de proteger o patrimônio do município. Os guardas fazem rondas em escolas, unidades de saúde, parques e praças.

Lei federal. O Estatuto Geral da Guarda Municipal foi aprovado em agosto de 2014. Entre suas determinações, ele autoriza o uso de armas de fogo pelos agentes. Os municípios têm até agosto de 2016 para se adequar às novas regras. O texto prevê também que os cargos de direção da corporação sejam ocupados por membros efetivos da guarda. Hoje, policiais militares reformados atuam nesses postos na capital.

Processo. Para armar a guarda, é preciso aval da Polícia Federal. Os agentes vão passar por exames psicológicos e treinamento. A prefeitura não informou como está o processo na Polícia Federal.

Reunião. Está agendada, para segunda-feira, uma reunião do Executivo com o Sindibel sobre as armas.
A briga
Quinta-feira
. Guardas municipais abordaram um policial militar reformado que estaria atuando como perueiro. Ele teria se irritado e chamado outros policiais. Começou um desentendimento, e um cabo da PM teria atirado, com bala de borracha, no rosto de uma guarda de 28 anos. Ela teve perfuração na bochecha, três dentes quebrados e uma fratura na mandíbula. Ela já passou por duas cirurgias. Desde então, os guardas fizeram duas manifestações, nesta quinta e sexta.

Família. Lindalva Emiliano, 52, mãe da guarda, cobrou punição para o militar responsável.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Mulher entra em cadeia com arma escondida dentro da vagina

Uma mulher conseguiu burlar a segurança de uma cadeia de forma incomum. Ela entrou no local com uma arma escondida na vagina

 
Versão para ImpressãoVersão para Impressão
 
Metro
(Foto: Reprodução)
Uma mulher conseguiu burlar a segurança de uma cadeia de forma incomum. Ela entrou no local com uma arma escondida na vagina.

Josephine McAllister, de 34 anos, supostamente tentava contrabandear a arma no centro de detenção metropolitano em Albuquerque, estado do Novo México, nos EUA.

A mulher havia dito aos policiais que ficou confusa sem saber se contaria que tinha a arma escondida depois de ser detida por posse de cartões de crédito roubados e resistência à prisão. 

Os funcionários da penitenciária foram alertados sobre o incidente após outro detendo encontrar a arma em uma lixeira. O diretor do local, Simon Drobik, afirmou que sua equipe não pode realizar vistorias nas cavidades do corpo dos visitantes.

DEPEN 2015 A CAMINHO (Pedido de vagas avança no MPOG)




Bom Dia Monster Guerreiro !! Concurso Depen 2015: pedido de vagas avança no MPOG

Avança, no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) o pedido do Departamento Penitenciário Nacional (Depen) para a realização de concurso público em 2015, para o preenchimento de 640 oportunidades, sendo 603 para o cargo de agente penitenciário federal, 22 para especialista em assistência penitenciária e 14 para técnico em apoio à assistência penitenciária.

A solicitação, protocolada em 16 de maio no MPOG, foi encaminhada, em 8 de janeiro, para a coordenação administrativa e de informação, secretaria de gestão pública e departamento de modelos organizacionais e força de trabalho nos setores de infraestrutura e de articulação governamental.

Para concorrer ao cargo de agente e técnico é necessário possuir ensino médio e para especialista, nível superior em áreas específicas. No caso de agente também é necessário possuir carteira de habilitação a partir da categoria “B”.

As remunerações iniciais são de R$ 4.874,60 para especialista, R$ 5.092,58 para agente e R$ 3.301,24 para técnicos, todos com jornada de trabalho de 40 horas semanais. No caso de agente também pode ser de 192 horas mensais, nos casos de regime de trabalho por plantões.

Noticia importante sobre a Portaria Suapi 08- 2014 -Registro de armas





Resposta de email enviado por agente penitenciario pedindo esclarecimento a SSPI:

a pedido do Superintendente de Segurança Prisional e em apertada análise do documento Portaria SUAPI - 08 / 2014, constatamos que se faz necessária sua revisão por conter elementos divergentes entre o texto da portaria e seu anexo, que, requerem do pleiteante documentos distintos, além do pedido do SDRH para a adequação dos procedimentos de emissão da declaração e de seu conteúdo às demandas daquela Superintendência.
Desta forma, foi requerido a suspensão temporária da portaria apontada por V.sa e aqui supracitada e a devida retirada da publicação da intranet até a devida correção da portaria.
Tão logo ocorra a correção será publicada nova portaria, esta, com as devidas orientações e fluxo documental simplificado.
Agradecemos o interesse e nos colocamos à disposição para os esclarecidos que se fizerem necessários pelo telefone (31)3915-5677.
att.

Rafael Velasco Brandani
Superintendência de Segurança Prisional - SSPI;
Subsecretaria de Administração Prisional - SUAPI;
Secretaria de Estado de Defesa Social - SEDS
Telefone: 3915-5677
email: treinamentoprisional@hotmail.com / rafael.brandani@defesasocial.mg.gov.br

De: SEDS - Subsecretário de Administração Penitenciária
Enviado: quinta-feira, 15 de janeiro de 2015 10:05
Para: SEDS - SSPI; Rafael Velasco Brandani (SEDS)
Assunto: ENC: registro de armas
lizado em 16/1/2015 às 09h57)

Após guarda municipal ser baleada em confusão, categoria paralisa atividades

Profissionais organizam protesto na manhã desta sexta-feira (16)
Do R7
Manifestação acontece na frente da sede da corporaçãoReprodução/Facebook
Cerca de 300 guardas municipais estão reunidos em manifestação na frente da sede da corporação, na av. dos Andradas, na manhã desta sexta-feira (16), em Belo Horizonte. De acordo com o Sindibel (Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Belo Horizonte), o ato é em protesto contra a confusão ocorrida na tarde de ontem (15), que terminou com uma trabalhadora atingida no rosto por uma bala de borracha. A categoria vai paralisar as atividades por 24 horas.
Lilian Emiliana de Oliveira está internada no Hospital João 23 e passou por cirurgia. Segundo a assessoria de imprensa da instituição, ela está consciente e passa bem. A guarda foi ferida durante uma abordagem a um policial aposentado que estaria fazendo transporte irregular nos arredores da rodoviária da capital.
Durante a ação, o homem teria reagido e ela precisou usa a arma de choque, além de pedir reforço da corporação e da própria PM. No entanto, quando outras viaturas chegaram ao local, houve um início de confusão e a oficial acabou sendo ferida.
Ela foi encaminhada ao Hospital Odilon Behrens e depois transferida para o João 23. Já o cabo que deu o tiro foi preso em flagrante e vai responder por lesão corporal grave. Além dele, o sargento reformado Daleimar Hilário Moreira foi levado para a delegacia, mas negou o crime de transporte irregular. Um agente da Guarda Municipal também foi detido por desacato à autoridade e alegou ter sido agredido pelos policiais. 
Tanto a corregedoria da Guarda Municipal quanto a da PM vão apurar as circunstâncias do ocorrido. 
  • Espalhe por aí:
  •      
  •